Marketing digital: usando a internet para conquistar seu espaço

Não há dúvidas de que tanto o mercado quanto o consumidor mudaram. Hoje, mais de 4 bilhões de pessoas usam internet no mundo, e, segundo o G1, 116 milhões só no Brasil. Com essa mudança impressionante desde os anos 2000, é natural que o marketing precise se adaptar.

De todos esses usuários, estima-se que até 2021 mais da metade deles se tornem consumidores digitais.

Essa prospecção mostra o quanto o marketing digital é importante para que sua empresa consiga se destacar.

Mas o que é o Marketing digital afinal?

Como dito anteriormente, a mudança notável nos hábitos do consumidor desde os anos 90 fez com que muitas mudanças no marketing precisassem ser feitas.

Se anteriormente uma simples pesquisa de preço poderia levar horas e muito esforço – afinal, o cliente precisaria ir presencialmente a uma loja – hoje tal pesquisa está ao alcance de um clique.

Utilizar estratégias e oferecer informações para acrescentar na rede nada mais é do que o tão falado marketing digital.

Mas isso não quer dizer que você deve forçá-lo a conhecer seu produto a todo custo. Lembre-se, o consumidor mudou e esse tipo de abordagem não faz mais parte do que as pessoas procuram.

É preciso entender que dentro do marketing digital existem diferentes canais e saber utilizar cada um respeitando suas particularidades é tão importante, senão mais, quanto vender o produto propriamente dito.

Afinal, quanto mais seus possíveis consumidores encontrarem você no mundo digital, maior a possibilidade de se tornarem realmente clientes.

WEB 2.0

Como já vimos, as mudanças no perfil do usuário exigiram que o marketing se adaptasse. Antigamente, a página de uma empresa oferecia informações sobre ela e era só.

Se o leitor se interessasse, ótimo. Se não, bem… Não havia muito o que ser feito.

Entendendo que o consumidor não espera apenas receber uma enxurrada de informações, mas deseja participar, criou-se o conceito do marketing digital e a assimilação de que é através do conteúdo que uma empresa atrai seus leads.

O lead nada mais é do que um possível cliente. Alguém que se interessou por um conteúdo disponibilizado em um e-mail ou blog, por exemplo, e deseja saber mais sobre o assunto.

Para definir se esse usuário irá realmente se tornar um cliente, vai depender de qual etapa do funil de vendas ele está e de uma boa estratégia de conteúdo. Calma, vamos explicar.

Funil de vendas

O conceito do funil de vendas não é novo, mas tem sido muito usado no marketing digital para criar estratégias de prospecção de clientes através da sua jornada de compra.

A jornada de compra de um usuário pode ser definida por três estágios. Um mesmo consumidor pode passar por todas elas ou pular de uma para outra.

Por isso é importante que você produza conteúdo que envolva todos os estágios. São eles:

  • Exploração
  • Consideração
  • Decisão

Aprendizado e descoberta

No estágio de exploração, o usuário está averiguando suas opções. Pode-se dizer que está querendo matar sua curiosidade sobre certo assunto.

É importante que o conteúdo disponibilizado seja apenas de aprendizado.

Reconhecimento do problema

Quando o consumidor está no estágio de consideração, significa que já entendeu que está com um problema. Ele pode ter passado pelo processo de exploração para ter descoberto isso ou simplesmente ter feito uma pesquisa diferente.

Pense assim: se um leitor quer saber sobre jardinagem, pode fazer diferentes pesquisas, como por exemplo “o tipo certo de grama para cada solo”.

Após fazer suas pesquisas, o consumidor pode chegar à conclusão de que tem um problema, como por exemplo, descobrir que plantou o tipo de grama errado

Caso ele já saiba que tem um problema, sua pesquisa pode ser diferente, como por exemplo, “como plantar grama em solo arenoso?”

Passando pelo primeiro estágio ou não, é importante que a persona no estágio de consideração encontre conteúdo que possa auxiliá-lo no seu problema.

Decisão de compra

É apenas no estágio de decisão que o consumidor deve ouvir falar sobre a sua empresa ou produto. Lembra do que falamos antes? Houve uma mudança de hábitos e o marketing que busca esse cliente também deve.

Falar sobre seu produto quando o leitor ainda está na fase de exploração, por exemplo, pode colocar tudo a perder e um lead acabar jamais se tornando um cliente.

É apenas na etapa da decisão que você pode e deve mencionar o seu produto.

Talvez o consumidor decida que não precisa do seu produto. Ainda assim, o fato de suas estratégias de marketing o terem trazido até sua empresa já é um bom sinal. Afinal, sempre há chances de um lead vir a se tornar um cliente mais tarde.

Utilizando o funil de vendas ao seu favor

Mas, afinal, como uma empresa pode utilizar o marketing digital para conquistar seu espaço?

A verdade é que há muito espaço na internet, porém muita competição. Em 2016, estimava-se que haviam 1.7 bilhões de websites no mundo. Como seu site pode se destacar com tanta informação?

Alguns anos atrás, a briga era pelo espaço físico. Quanto maior fosse o banner ou mais bonito o outdoor, mais uma empresa se destacava. Quando falamos de internet, no entanto, um website visualmente bonito não é tudo o que conta.

Afinal, de nada adianta se certificar que o seu site esteja apresentável se ninguém conseguir encontrá-lo.

Para isso, o marketing digital foca no conteúdo interessante e relevante para seus consumidores.

O público alvo

Você com certeza já ouviu falar de um público alvo. É importante que um produto específico tenha um público alvo específico, mas no marketing digital esse público é mais específico ainda. São as personas.

Uma persona nada mais é do que um personagem fictício que procura algo em específico.

Usando nosso exemplo anterior de jardinagem, ao invés de colocar como público alvo “pessoas entre 40 e 50 anos”, colocamos “Maria, 45 anos, dois filhos, divorciada, possui um jardim e quer saber como cultivá-lo no inverno.”

Ao criar a persona Maria, conseguimos imaginar exatamente aquilo que ela procura. Sabemos que ela tem uma curiosidade: cuidar do jardim e um problema: cultivá-lo no inverno.

Com essas informações podemos criar conteúdo específico para nossa persona.

Definindo sua persona

No entanto, não podemos simplesmente inventar personagens, afinal, de nada adianta investir tempo nessa criação se ela não gerará resultados.

Uma pesquisa de campo é muito importante para definir quem são as personas que podem vir a procurar seu produto.

Utilizar mecanismos de busca para compreender suas personas é um ótimo caminho para isso.

Landing Page

As Landing Pages são as páginas de conversão, ou seja, onde existe uma troca. O usuário recebe o conteúdo buscado e em troca fornece algumas informações de contato, como o e-mail, por exemplo.

A partir do momento que alguém fornece suas informações, ele se torna um lead. Por isso é importante que a produção de conteúdo continue frequente e relevante, para que esse lead não acabe se perdendo.

SEO

O Search Engine Optimization, ou o SEO, é um conjunto de estratégias e táticas muito utilizado pelo marketing digital para aumentar os acessos de um site nos mecanismos de busca organicamente, ou seja, sem precisar pagar por isso.

Os mecanismos de busca, tais como o Google e o Bing, utilizam de um ranqueamento para definir que tipos de sites serão exibidos por primeiro nos resultados de uma busca.

Segundo uma pesquisa da empresa Internet Marketing Ninjas, a primeira posição em uma busca do Google recebe cerca de 26% dos cliques.

Para garantir que seu site não caia para a segunda ou terceira página e caia no esquecimento, o SEO utiliza técnicas para otimizar o ranqueamento dos resultados.

O Google e demais mecanismos de buscas levam em consideração diversos fatores para ranquear os resultados.

Os mecanismos de busca, tais como o Google e o Bing, utilizam de um ranqueamento para definir que tipos de sites serão exibidos por primeiro nos resultados de uma busca.

Conteúdo

Como já citamos, de nada adianta ter um site visualmente bonito se o conteúdo não for igualmente bom. Além do mais, quanto mais útil for o conteúdo, melhor será seu ranqueamento.

Quanto ao tamanho do conteúdo, textos maiores, com 1000 palavras ou mais, parecem mais relevantes aos olhos do Google do que os menores, com 400 palavras, por exemplo.

Otimização das imagens

Podemos sempre imaginar o Google como se ele fosse uma pessoa cega. Para que um cego possa entender o que uma imagem é, precisamos descrevê-la.

Para tanto podemos utilizar os alt-texts como auxílio, descrevendo essa imagem para conseguir um melhor ranqueamento. Se possível, é sempre proveitoso descrevê-la utilizando a palavra chave escolhida.

Palavras-chave

As palavras-chave são nada menos do que as palavras que um usuário utiliza para fazer uma pesquisa. Quanto menos específica for, maior será a quantidade de vezes buscada, e vice-versa.

Por isso, quanto mais específica for sua palavra-chave, menos resultados terá, porém garante que terá menos concorrência pela atenção e atrairá pelo menos um público específico, ou melhor, uma persona.

Para que seu conteúdo seja mais facilmente encontrado, essa palavra-chave deve estar imprescindivelmente no título, na URL (esta deve ser sempre amigável e fácil de ler), no início do texto e naturalmente durante o texto, sem que isso se torne cansativo para o usuário.

Assim, com a utilização das técnicas de SEO e produzindo um conteúdo útil para o usuário você conseguirá utilizar o marketing digital de maneira eficaz para conquistar seu espaço na internet.

Gostou do nosso conteúdo? Quer saber mais? Nós da Monster queremos te ouvir! Deixe um comentário nos informando o que você quer ler e traremos mais artigos para você.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *