Plano sequência: já ouviu falar?

Quando falamos de cinema, existem centenas de técnicas de filmagem e construção de cena que são usadas para causar diferentes efeitos em um filme.

Com uma câmera e técnicas diferentes pode-se causar suspense, medo, empolgação e a sensação de que o telespectador está dentro da cena, acompanhando os personagens.

A essa técnica damos o nome de plano sequência. Ela consiste em uma cena filmada por um período maior que o habitual e sem cortes, o que ajuda a causar o senso de pertencimento.

Muitas vezes esse pertencimento é tão grande que somos capazes de sentir o desespero e a aflição dos personagens na tela.

Grandes nomes do cinema fizeram uso dessa técnica, tais como Alfred Hitchcock, Quentin Tarantino e Alexander Sokurov.

A técnica pode parecer antiga e somente usada em filmes cult, mas muitos diretores atuais ainda utilizam o plano sequência para dar a uma cena a emoção que acham necessária e que em uma cena regular com cortes não seria possível.

Uma clássica cena gravada com a técnica do plano sequência acontece no terror O Iluminado, do diretor Stanley Kubrick, baseado no livro de sucesso do mestre Stephen King.

Uma criança anda de triciclo pelos corredores do hotel onde está hospedado com seus pais. Apesar de a cena em si não conter terror, se cria um suspense ao acompanharmos o menino no seu trajeto juntamente com a trilha sonora.

Ainda que hoje em dia os equipamentos proporcionem aos diretores maior facilidade para gravar cenas de plano sequência, em uma época em que os filmes não eram longos e precisavam ser cortados em várias partes, Hitchcock gravou o clássico Festim Diabólico.

Para conseguir as cenas em plano sequência e dar a impressão de que o filme todo foi gravado usando a técnica, o diretor escondia a câmera em um objeto escuro, como as costas de um homem de paletó, e então continuava depois do corte escondido, fazendo parecer que a cena continuava.

A Arca Russa marcou a história ao ser o primeiro filme gravado inteiramente utilizando o plano sequência. O diretor Alexander Sokurov impressiona ao contar 300 anos da história russa em 97 minutos. O filme foi gravado no museu Hermitage, em São Petersburgo.

Planos sequência são muito bem utilizados em cenas de luta. A série da Marvel, O Demolidor, utilizou uma cena de longa sequência em que o herói luta com seus inimigos em um prédio residencial.

A câmera acompanha desde o momento em que ele entra no apartamento, criando no telespectador uma aflição enquanto assiste e espera pelo resultado da luta.

Em 2011, Natalie Portman arrebatou nossos corações com Cisne Negro, filme que rendeu-lhe um Oscar de melhor atriz.

O diretor Darren Aronofsky causa aflição e suspense ao filmar a cena de dança em que Nina interpreta o Cisne Branco.

A cena é cortada quando a bailarina senta, para recomeçar quando outro dançarino entra em cena.

Apesar de ser uma obra-prima do cinema, a técnica do plano sequência nem sempre é apreciada por telespectadores mais preguiçosos, pois dependendo da cena demanda um pouco de paciência.

Ainda assim é uma das técnicas que mais ajudam a causar emoção naquele que assiste, independente se boa ou ruim.

O que você acha da técnica do plano sequência? Tem algum filme que você conhece que não mencionamos? Deixe aqui embaixo nos comentários!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *